ARQUEIRO DIVULGA CAPA DE “MAGIA DO SANGUE,” DE NORA ROBERTS.

A editora Arqueiro divulgou a capa de Magia do Sangue, terceiro e último livro da saga Primos O’Dwyer, da autora Nora Roberts, sendo a previsão de lançamento é para novembro.

Confira capa e sinopse:

Osq8YwC

Há muitos anos, Branna O’Dwyer entregou seu amor a Finbar Burke. No entanto, o romance durou pouco. Uma maldição ligada ao sangue de suas famílias os proibiu de ficar juntos.

Branna tentou preencher esse vazio com amigos e familiares, mas sabe que, sem Fin, sua vida nunca estará completa. Ele, por sua vez, passou os últimos doze anos viajando pelo mundo, focado exclusivamente no trabalho.

Atormentados pela forte atração que nem a distância pôde aplacar, nenhum dos dois acha que um dia se entregará de novo ao amor. Entretanto, em meio às sombras que ameaçam destruir tudo o que eles consideram mais precioso, esse relacionamento sem futuro pode ser também a última esperança que lhes resta.

Resenha | Eu, Você e a Garota que vai morrer – Jesse Andrews

Eu-Você-e-a-Garota-Que-Vai-Morrer-Jesse-Andrews-LivroTitulo: Eu, Você e a Garota que Vai Morrer
Autor: Jesse Andrews
Número de páginas: 288
Editora: Fábrica 231/Rocco
Nota: 2/5

Não sei por onde começar, mas já adianto que serei bem critica!

Sinopse: Sinopse: Greg Gaines é socialmente invisível, Earl Jackson vem de um lar desajustado e Rachel Kushner tem câncer, mas Eu, você e a garota que vai morrer está longe de ser mais um dramalhão lacrimoso. Subvertendo clichês, o autor Jesse Andrews oferece um romance de formação que, com um estilo pop e original, consegue juntar irreverência e sensibilidade ao tratar dessa coisa maluca chamada morte.

Eu, Você e a garota que Vai Morrer é um livro “escrito” pelo seu protagonista, Greg Gaines. Um garoto de dezessete anos que está no último ano do ensino médio, aspirante a cineasta, porém ele deixou essa ideia de lado por só fazer filmes terríveis, e decidiu escrever um livro, mesmo que não tendo ideia do que estivesse fazendo, mas, ainda assim, ele quer contar sua história.

Greg é um garoto comum, que não tem amigos, na verdade tem Earl o outro garoto do livro, fora ele Greg evita fazer amizades mais se faz presente em todos os grupinhos do colégio, as famosas tribos, e como ele mesmo diz, não quer ser “rotulado”, então não se envolve.

A vida de Greg e Earl se resume em fazer filmes ruins, a ideia de vida deles é fazer ” o filme mais ruim da historia” (como se algum tivesse algo de bom), e os dois acabam sempre reproduzindo filmes clássicos, que eles mesmo odeiam, mas os pais de Greg adoram.
O pai de Greg é um professor de faculdade que adora falar difícil e criar duvidas nas pessoas, a mãe é uma dona de casa ex-hippie que se dedica a família e principalmente aos ataques da irmã adolescente de Greg.

Já a família de Earl, foge completamente da vida que nosso protagonista tem. Earl é um garoto com uma estatura baixa, bem baixa, um humor ácido (e nojento), com uma família completamente doida, onde os irmãos se socam por motivo nenhum e a mãe vive bêbada trancada no quarto em sites de bate-papo.

Mas mesmo assim a parceria entre os dois garotos da certo. Greg é muito sozinho e não tem o menor espírito de liderança. Ele vive a sombra de Earl mas consegue sobreviver neste posto porque faz o tipo “caguei e andei”. Ele surta mas logo se finge de morto e assim resolve seus problemas.

A linguagem do livro é muitas vezes cheios de palavrões e o autor não poupa o leitor de detalhes ou manias de linguagem que os personagens tem.

A premissa do livro é ótima, fala sobre câncer de uma forma mais abrangente e não sobre choros e lições de vida..e é aí que eu me peguei pensando e dizendo em voz alta: “Mas precisava ser tão frio?!”

A garota que vai morrer, se chama Rachel, ela é uma antiga “amiga” de Greg, quando ambos estavam no jardim, é passada a ideia de que ela teria sido apaixonado por Greg, enquanto ele só pensava nos peitos das meninas. Em certo ponto do livro da a impressão de que ele vai se envolver e ter mais sentimentos por Rachel, mas tudo que ele faz é soltar umas piadas, se colocando como o alvo delas ou até mesmo o assunto, e soltar alguns “humm’s”.

Rachel fica completamente em segundo plano, ela é realmente o “e” do titulo, o que acaba deixando a historia muito vaga (na minha opinião). Até o momento que o estado dela piora e as chances de combater o câncer se tornam nulas.

Greg e Earl então planejam fazer um filme para Rachel…E foi aí que meu desgosto se tornou raiva. Como qualquer pessoa pensaria, eu achei que o filme por mais que fosse uma bosta, teria um pouco de sentimento e que Greg largaria a mania de pensar no “rotulo” e vivesse o presente, os acontecimentos e se deixasse levar.

Pobre criança de verão…

O filme foi tão ruim quanto podia ser, Earl foi mais sentimental que Greg e todos passaram a detestá-los na escola, principalmente Greg que não possuia amigos, Earl se saiu bem com a tribo dele e logo os dois deixaram de ser ver com frequencia.

E aí, onde fica a “garota que vai morrer”? Pois é, morreu…

Eu nunca fui tão critica e nunca detestei tanto um livro e olha que já li muito livro ruim, mas esse…merece um Oscar.

O que me deixou desconfortável foi a falta de sentimento, em nenhum momento Greg sente, lamenta ou pelo menos sai da bolha e da ideia idiota de “não se envolver”. Não estava querendo lagrimas, até porque a ideia de se falar de câncer e não criar um mundo de desabamento e lagrimas aos montes, é muito legal.
Mas gente, não deu.

Espero que alguém um dia consiga colocar ou mostrar algo bom desse livro para mim, pois tirando a capa maravilhosa, ele não me agrada em nada.

Resenha | A cidade do sol – Khaled Hosseine

ArquivoExibir

Titulo: A cidade do sol
Autor: Khaled Hosseini
Número de páginas: 322
Editora: Nova Fronteira
Nota: 5++

Confesso que não sou muito fã desses livros “reais” demais, porque sei que sempre vou chorar horrores e também me deixam muito impressionada.

Meu vizinho, um senhor com seus 50 anos, me disse que também adorava ler e que tinha um livro ótimo para me emprestar, eu não ia falar que não queria não é mesmo? Quando li a sinopse eu já senti que a coisa ia ser triste.
E o que eu senti quando li esse livro, resenha nenhuma vai ser capaz de transmitir. Mas eu vou tentar, ok? Vamos lá.

Sinopse: Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: “Você pode ser tudo o que quiser.” Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos.
Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do “todo humano”, somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.

O livro ao meu ver se divide em 3 historias que no final se completam.

Na primeira história nós conhecemos Mariam, uma garota que vive em uma vila com sua mãe solteira. Mariam tem apenas um desejo na vida, poder ter seu pai por perto, e por isso dedica a ele amor e carinho incondicionais, tudo aquilo que a sua mãe jamais seria capaz de ter por ele. Sua mãe tinha motivos para odiar tanto seu pai, ela era criada na casa de Jalil (pai de Mariam) e após ter um caso com ele, acabou engravidado e sendo expulsa, o mesmo acabou construindo uma casinha minúscula para as duas viverem bem longe da cidade, para que a reputação de Jalil não fosse manchada.

Para Mariam morar com o pai seria o fim dos seus problemas, ela não teria que conviver com a mãe que se queixava do pai, da vida e da própria filha. Ela poderia ter uma vida perfeita ao lado dos irmãos e irmãs e jamais passaria por necessidade.

Mas quando sua mãe morre e ela, finalmente, pode estar onde sempre quis estar, ela se surpreende com a rapidez com que seu pai se desfaz dela.

Aos 15 anos de idade, Mariam vê sua infância e inocência irem embora e ela se vê diante de um homem de 45 anos, ao qual seu pai a deu em casamento, Rashid seria o único homem que Mariam teria contato a partir daquele dia.

Nessa primeira parte o autor deixa bem claro, como a cultura se impregna nas pessoas e de como elas seguem aquilo tão religiosamente que se fecham para um mundo novo e novas possibilidades.


Durante as passagens da vida de Mariam, eu me vi segurando a respiração por diversas vezes, por não querer acreditar no que eu realmente estava lendo ou por não me conformar como as mulheres são tratadas mundo a fora.


Na segunda parte conhecemos a historia de Laila, uma garota de 14 anos, e seu melhor amigo Tariq. Laila sempre se mostrou uma garota inteligente, cheia de alegria e com ambições na vida. Seu pai, um professor universitário que se orgulhava de uma filha como ela, sempre permitiu que a filha ansiasse por uma vida além do Afeganistão e por isso Laila sempre sentiu que podia ser o que quisesse. Mas Laila aprende que a vida não é sempre um mar de rosas, e que ela nem sempre nos da o que pedimos.
Quando a guerra chega a sua casa, e acaba levando seus pais , ela se vê perdida e dependente de outras pessoas e, é em Mariam, que ela encontra uma espécie de anjo da guarda.


Rashid pede Laila em casamento e ela aceita por achar que o grande amor da sua vida, esta morto.

Desse dia em diante a vida de Mariam e de Laila são postas a prova, e as duas acabam se convencendo de que merecem mais da vida.

“Ali, o futuro não contava. E o passado só continha uma certeza: o amor era um erro nocivo, e sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira.”

As duas abriram mão da infância para superar perdas, ambas sofreram nas mãos do mesmo homem, e de um país que elava suas crenças e fanatismo ao máximo, não se importando com as anormalidades da vida diante de seus olhos.

Quando eu cheguei nas ultimas paginas do livro e a certeza de que um sacrifício maior estava por vir, eu sabia que as lagrimas surgiriam.

No livro fica bem claro o papel de cada uma das duas mulheres, Laila é a garota/mulher que vai ser responsável por grandes feitos e vai fazer a diferença na vida de muitas pessoas.

Mariam, desde os começo só quer uma coisa da vida, ser amada da forma mais sublime. Ela precisava de alguém que pudesse amá-la da mesma forma que ela amaria, ser querida e jamais abandonada.

Não sei como cheguei ao final do livro, sei apenas que eram 5h da manhã e as tristeza e o aperto no peito eram grandes.

Confesso que Khaled Hosseine se tornou um dos meus autores favoritos e A cidade do Sol, não possuí limites para o meu amor.

“Não se podem contar as luas que brilham em seus telhados, Nem os mil sóis esplêndidos que se escondem por trás de seus muros.”(Saib-e-Tabrizi)

PARALELA PUBLICARÁ LIVRO ESCRITO PELA VLOGUEIRA KÉFERA.

Entrou em pré-venda Muito Mais que 5inco minutos, da vlogueira Kéfera Buchmann!

Com apenas 22 anos, Kéfera Buchmann reúne quase doze milhões de seguidores nas suas mídias sociais (YouTube, Facebook, Twitter e Instagram). Só o seu canal no YouTube, “5inco minutos”, tem cinco milhões de assinantes e é o quarto mais visto do Brasil.

11750677_1163778393639074_2292073895362661510_n

Continuar lendo

Após mudanças, Emma Watson confirma que estará na adaptação de “A bela e a fera”.

Emma-Watson_2967465b

A Disney e a Warner Bros. estão trabalhando em projetos similares ao mesmo tempo, mas a segunda está ganhando maior destaque com seu “Beauty”, apesar de Guillermo del Toro não ser mais o diretor responsável pela adaptação de La Belle et la Bête, história escrita por Gabrielle-Suzanne Barbot.

Agora,  Emma Watson confirmou que vai estrelar como Bela na adaptação. Até o momento, a Warner só havia mencionado a possibilidade da atriz trabalhar no filme.

Finalmente eu posso dizer a vocês… que eu vou interpretar a Bela em novo filme da “Bela e a Fera” da Disney! Foi uma grande parte do meu crescimento, que quase parece surreal que eu vou poder dançar ‘Be our guest’ e cantar ‘Something there’. Minha versão aos seis anos está nas alturas – coração explodindo. Hora de começar algumas aulas de canto. Eu mal posso esperar para que vocês possam vê-lo, escreveu em seu Facebook.

O projeto começou a ser desenvolvido em 2012 e deve estrear em 2016. Quanto a Disney, até o momento eles já contrataram o roteirista Stephen Chbosky, conhecido por seu trabalho como diretor, roteirista e autor do livro “As Vantagens de Ser Invisível”.